quarta-feira, 30 de junho de 2010

Aprenda fazer um fantoche de mosquito da dengue com garrafa plástica. Reutilize as sacolas plásticas!

Cientista cria técnica para converter plástico em fuligem reutilizável! Reutilize as sacolas plásticas!

O cientista Vila Ganpat Pol, do Laboratório Nacional Argonne, em Illinois (EUA), desenvolveu uma técnica para converter uma mistura de lixos plásticos em microesferas de fuligem, carbono resultante de combustão incompleta. As microesferas podem ser usadas em tintas, lubrificantes e pneus e até incorporadas em anodos de baterias de lítio.

Para criar as esferas, Pol fundiu uma mistura de plásticos em um reator a 700 ºC. Nessa temperatura, a pressão no reator chega a 34 atmosferas, ajudando a quebrar as ligações químicas entre os átomos de hidrogênio e carbono nas cadeias de polímeros dos plásticos. O gás hidrogênio foi sugado para fora do reator, deixando para trás microesferas de até 10 micrômetros de diâmetro.

Pol recentemente usou um processo similar para converter lixo plástico em nanotubos de carbono. No entanto, esse processo requeria o uso de um catalisador.

A nova técnica, diz Pol, não requer nenhum catalisador. Geoffrey Mitchell, um cientista de materiais na Universidade de Reading, no Reino Unido, afirma que o fato de o processo não precisar catalisar é um avanço e que, se a técnica puder ser usada para reciclar a crescente quantidade de lixo plástico misturado de baixo valor, ela poderá ter um futuro promissor.

O estudo foi publicado no periódico "Environmental Science and Technology".

terça-feira, 29 de junho de 2010

Coca-Cola em parceria com a Emeco (fabricante de cadeiras) lançam a Navy Chair produzida a partir da reciclagem de 111 garrafas de plástico. Não esqueça: Exija sacolas plásticas mais resistentes. Use e descarte corretamente suas sacolas plásticas!

O projeto criado em 1944 para a marinha americana será construído com garrafas de plástico recicladas

Em 2006, a Coca-Cola trouxe a Emeco (fabricante de cadeiras) uma proposta. Sua fábrica de reciclagem em Spartanburg Carolina do Sul processavam milhares de garrafas de plástico por dia e eles estavam procurando maneiras de mostrar o valor do plástico reciclado.

 
Quando você recicla uma garrafa de plástico, você está fazendo algo bom. Quando você recicla 111 delas, você está fazendo algo grande. Ajude a sua garrafa de tornar-se algo extraordinário novamente.


O objetivo do projeto Navy Chair para alterar o comportamento do consumidor, demonstrando o valor das garrafas de plástico com design bonito e produtos de uso diário - em última análise incentivar mais a reciclagem.



Fontes: www.emeco.net 
http://portalexame.abril.com.br

Tapetes e carpetes feitos com garrafas de plástico



                                Produto sustentável feito a partir de garrafas de plástico

Preocupada com o meio ambiente e sempre buscando soluções inovadoras, a Santa Mônica Tapetes e Carpetes lança o Eco, produto sustentável feito a partir de garrafas de plástco, dando origem a tapetes e carpetes.
Para possibilitar isso, aproximadamente 14 mil garrafas por minuto são transformadas em cacos, depois em fibra para, só então, se tornarem fios de poliéster, originando o Eco. Foram cerca de seis meses de pesquisa até a marca brasileira encontrar um produto que, além de ser sustentável, atendesse às exigências do mercado e também apresentasse o padrão de qualidade tradicional da Santa Mônica. O produto inclusive recebeu o selo Green Label Plus, do CRI – The Carpet and Rug Institute, selo verde que garante o comprometimento com uma melhor qualidade de vida.

Fonte: Revista ISTO É DINHEIRO

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Diversos objetos criativos feitos com garrafas de plástico. Exija sacolas plásticas mais resistentes.

Barco, flor, cachorro, sofá, cama, entre outros, feitos com garrafas de plástico!

Estudantes do Espírito Santo desenvolvem roupas a partir de materiais recicláveis como: copos de plástico descartáveis, cartões telefônicos, entre outros objetos


Estes materiais foram utilizados para a produção de 50 peças, como roupas, chapéus, colares e cintos

Como parte de uma das tarefas da Olimpíada Ecológica da cidade de Ecoporanga, no Espírito Santo, os alunos da Escola Estadual Ecoporanga, criaram roupas a partir de materiais recicláveis.

Os estudantes realizaram um desfile de moda no Mercado Municipal e conquistaram o primeiro lugar na competição, sendo que a escola foi presenteada com um troféu e um aparelho de DVD.

“Conquistar esses prêmios foi maravilhoso, mas nosso foco maior é a conscientização dos alunos por meio da aprendizagem. Por isso, desenvolvemos ações relacionadas ao meio ambiente todos os anos. Afinal, eles são o futuro do nosso planeta, precisam saber o tamanho desta responsabilidade”, afirmou a professora de Artes, Floriza Pereira da Silva.

Fonte: Ambiente Brasil

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Garrafas plásticas servem de matéria-prima para moradias na América Latina

Além de reciclar os resíduos inorgânicos, as casas são elaboradas quase na sua totalidade com elementos naturais

 Um aglomerado de garrafas de vidro e plástico entrelaçado com mel, areia, resíduos, azeite de linhaça e leite podem se transformar em imóveis para famílias pobres na América Latina. "Casas de Botellas" (casas de garrafas, em tradução livre) é o nome do projeto idealizado há quase sete anos pela boliviana Ingrid Vaca Diez, com a finalidade de oferecer aos mais necessitados a possibilidade de obter e elaborar com seus próprios recursos um lugar para viver.

 Casas no México feitas com garrafas plásticas

Garrafas de vidro e plástico de 600 mililitros, de um e dois litros, terra, cimento, cal, areia, pilhas, cola, sedimentos, resíduos orgânicos, aros e glicose se transformam na mistura ideal para dar vida aos novos lares. Estas recebem a denominação de "casas ecológicas" porque além de reciclar os resíduos inorgânicos são elaboradas quase na sua totalidade com elementos naturais.




Fonte: Portal IG

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Consumo responsável de sacolas plásticas será discutido em Santa Catarina


Quando falamos de sacola plástica mais resistente, feitas de acordo com a norma ABNT 14.937 e identificadas com o Selo de Qualidade Abief-INP, o consumidor deixa de utilizá-las em duplicidade ou pela metade de sua capacidade, reduzindo a quantidade que leva para casa, mas sem ter que deixar de usar estas embalagens, tão úteis no seu dia-a-dia. O Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas parte do princípio que, para reduzir o consumo, é necessário que se tenha embalagens de boa qualidade. Exigir sacolas mais resistentes é um direito do consumidor.



O Instituto Nacional do Plástico - INP debaterá o uso responsável e descarte adequado de sacolas plásticas como a solução para a preservação ambiental.
Nesta quarta-feira, dia 23, durante a Exposuper 2010 (Complexo Expoville) realizada em Joinville (SC) os catarinenses compreenderão como é possível aliar a praticidade, custo-benefício, higiene e saúde proporcionados pelas sacolas práticas à preservação ambiental. Paulo Dacolina, diretor Superintendente do INP mostrará os resultados alcançados em todo o Brasil no sentido da redução do desperdício e da conscientização da população para o uso e descarte adequados dessas embalagens, com o Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas.

O Programa parte do princípio que, para reduzir o consumo, é necessário que se tenha embalagens de boa qualidade. Assim, envolve os fabricantes de sacolas e o varejo para que as sacolinhas sejam feitas de acordo com a norma ABNT 14.937 e identificadas com o Selo de Qualidade Abief-INP. “Produzidas dentro de norma, essas embalagens ficam mais resistentes, garantem a segurança no transporte das compras e, ainda, podem ser reutilizada de diversas formas, como no lixo doméstico, por exemplo, gerando economia à população”, afirma Paulo Dacolina.

Quando a sacola plástica é mais resistente, o consumidor deixa de utilizá-las em duplicidade ou pela metade de sua capacidade, reduzindo a quantidade de sacolas que leva para casa, mas sem ter que deixar de usar estas embalagens, tão úteis no seu dia-a-dia. Pesquisa Ibope, realizada com mulheres das classes B, C e D, responsáveis pelas compras de seus domicílios, revela que 100% das donas de casa reutilizam as sacolinhas para embalar o lixo doméstico, 75% são a favor do seu fornecimento pelo varejo e 71% delas acham que são o meio ideal para transportarem as compras.

O Programa trabalha os conceitos de Redução do desperdício, Reutilização e Reciclagem — os 3Rs – e de responsabilidade compartilhada. “Acreditamos que a ideia de unir esforços da indústria, dos supermercados e da população é o que realmente fará a diferença no que diz respeito à preservação do meio ambiente”, afirma Dacolina.

Já lançado em São Paulo (SP), Porto Alegre (RS), Salvador (BA), Goiânia (GO), Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ) e Recife (PE), o Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas segue pelo Brasil e tem alcançado resultados significativos na redução do uso de sacolas plásticas. Em 2007, o consumo de sacolinhas, no Brasil, foi de 17,9 bilhões. Já em 2008, passou para 16,2 bilhões e para 15 bilhões em 2009, o que resulta numa diminuição de 16,2% no período. Joinville está na lista das cidades que receberá este Programa ainda em 2010.

Sabe aqueles talheres de plástico que são descartáveis? Reutilize! Eles podem fazer parte de algum desenho! Reutilize as sacolas plásticas!

Para colar o plástico em qualquer superfície você terá que usar cola transparente, depois pode pintar ou não, e até mesmo fazer o contorno com caneta permanente. Acho que esse quadro pode enfeitar qualquer cozinha.






Fonte: Lucia Zani - Professora de Música, Pedagoga e Artista Plástica

Com os pés no plástico Melissa lança coleção Amazonista e o livro Plastic Dreams no SPFW. Use e descarte corretamente as sacolas plásticas!


Aproveitando a Semana de Moda São Paulo Fashion Week, a Melissa leva a Coleção Amazonista (calçados feitos com plástico), assinado pelo arquiteto Muti Randolph, para o Lounge da Bienal, com convidados especiais para sortear pares do calçado. Além também, de apresentar o lançamento do livro Plastic Dreams, que elege as 120 peças mais importantes já criadas em plástico em todo o mundo, tendo a Melissa como participante

Apresentando características como reciclabilidade, conforto, leveza, redução de custos e novos designs, o plástico está cada vez mais conquistando o setor calçadista, colocando o Brasil entre os principais produtores de calçados.

Melissa vai levar um pouco da nossa beleza natural, inspirada na Floresta Amazônica para os quatro cantos do mundo, ressaltando as cores, formas e texturas para o Verão 2011 nos calçados feitos de plásticos.

Foram dois anos de pesquisa em cima do tema, buscando inspirações em Belém, Manaus e em Ilha de Marajó, para trazer de forma criativa e divertida a riqueza dessas regiões.

A cartela de cores é vibrante, assim como a Amazônia, trazendo tonalidades das frutas, o jambo rosa; nuances claras, como as areias de Ilha e matizes fluorescentes das tradicionais garrafadas da região.

Flores, folhas e raízes da Floresta, ganham formas e linhas perfeitas, acompanhadas de toques suaves como as das plumas dos animais e o colorido da diversidade.

A marca, como sempre, busca envolver a tecnologia, o conforto e o design em seus modelos, para alcançar a perfeita harmonia com seus pés.

A partir desta Coleção Verão 2011, a revista Plastic Dreams e o Portal Melissa serão bilíngües e estarão alinhados ao tema Melissa Amazonista, alcançando e globalizando todos os seus fãs.

Aproveitando a Semana de Moda São Paulo Fashion Week, a Melissa leva a Coleção Amazonista, assinado pelo arquiteto Muti Randolph, para o Lounge da Bienal, com convidados especiais para sortear pares do calçado. Além também, de apresentar o lançamento do livro Plastic Dreams, que elege as 120 peças mais importantes já criadas em plástico em todo o mundo, tendo a Melissa como participante.

Vale a pena citar também, que o novo Layout da Loja Melissa, está renovado, tendo como tema a Coleção Amazonista. O artista plástico e diretor de arte, Kleber Matheus é quem criou a atmosfera de floresta, dentro e fora da Galeria.

Conheça alguns dos modelos da nova Coleção Melissa Amazonista Verão 2011 que está sendo apresentada no Lounge da Bienal do SPFW






Saiba mais sobre o lançamento do livro:

O plástico permanece imbatível. De escovas de dentes a computadores, de móveis a sapatos: difícil imaginar uma categoria de produtos que tenha resistido ao seu avanço. A segunda jornada deste SPFW foi um dia especial no lounge da Melissa. Lançamento do livro Plastic Dreams, de Peter e Charlotte Fiell, casal que é autoridade total quando o assunto é design, com mais de 30 títulos publicados em todo o globo.

Plastic Dreams é uma super seleção das 120 peças mais importantes já criadas no mundo inteiro. O livro reúne os melhores objetos de design em plástico do mundo, entre elas a brasileiríssima Melissa.

A Melissa, é claro, não poderia faltar e marca presença no meio de móveis e objetos em geral com modelo Ultra Coral, a sapatilha Campana e as co-criações de Zaha Hadid e Karim Rashid para a marca. Quem está por trás da publicação é a editora Fiell, inteiramente dedicada ao tema design.

Plastic Dreams é a leitura ideal para quem apenas quer saber mais sobre os plásticos. Com chegada prevista nas livrarias para o início de julho.


Todos os exemplares do livro tem uma sobrecapa especial, criada e fabricada pela Melissa com inspiração na Ultra Coral, do verão 09/10.

terça-feira, 22 de junho de 2010

Flores e plantas feitas com garrafas de plástico!

Saiba o que fazer com as garrafas de plástico que você consome e não utiliza mais.
Use e descarte corretamente as sacolas plásticas!
 

Faça lindas bandejas com plástico, isopor, filtros de café usados e jornal. Use e descarte corretamente as sacolas plásticas!


Material para fazer as badejas

Qualquer embalagem de plástico ou esferovite (isopor)
Cola branca
Filtros de café usados
Verniz incolor
Papel toalha de cozinha.
Linha grossa
Pincel de cerdas dura.
Passo a passo

 

Reutilize tampas de embalagens de bombom, bandejas de isopor, enfim aproveite tudo.

Passe cola branca em toda a embalagem a ser utilizada, cubra com papel toalha de cozinha, apertando com o pincel molhado em água. 


Atenção se optar por dar o acabamento com filtros de café usado, basta apenas cobrir a embalagem com uma camada deste papel. Caso faça opção por pintar, use mais três a quatro camadas de jornal, repetindo o processo.

Espere secar bem e comece a cobrir com pedaços de filtros de café usados passando cola e molhando o pincel em água. Depois e só furar a embalagem com um palito e passar a linha escolhida. De o acabamento final com verniz incolor.


Atenção, se optar por pintar use guache misturado com cola branca fica óptimo, espere secar e passe verniz incolor.


Esse trabalho foi feito com bandejas de esferovite (isopor) e com tampas de embalagem de bombom.




Fonte: Lucia Zani - Professora de Música, Pedagoga e Artista Plástica

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Plastivida educa e diverte no mês do Meio Ambiente


Quiz: Teste de conhecimentos sobre reciclagem energética

A Plastivida apresenta o Quiz sobre Reciclagem Energética, que objetiva informar e divulgar de forma divertida a importância do tratamento de resíduos com geração de energia e a função dos plásticos pós-consumo nesse processo.

Antes de iniciar o Quiz, assista ao vídeo - http://www.youtube.com/watch?v=6gXLJYvPHYk, para se informar sobre esta tecnologia largamente adotada em países como EUA, Japão, China, Coréia do Sul, Malásia, Itália, França, Suíça, entre outros.

Acesse www.plastivida.org.br/2009/quiz, siga as instruções e divirta-se!

Portal ''Rota da Reciclagem'' disponibiliza Hot Sites de cooperativas. Recicle as sacolas plásticas!

Através do portal Rota da Reciclagem - www.rotadareciclagem.com.br, iniciativa da Tetra Pak que indica onde materiais recicláveis podem ser entregues, cooperativas do Brasil inteiro passam a ter seu trabalho divulgado na internet.

No mapa, elas são identificadas em Hot Sites com informações como endereço, telefone, tipo de material que cada uma recebe e até mesmo fotos da iniciativa e um breve texto de apresentação. Além de divulgar as cooperativas, o objetivo é incentivar o internauta, cada vez mais, a se conscientizar ambientalmente através da prática da reciclagem.

As cooperativas interessadas em ter seu Hot Site, dentro do Rota da Reciclagem, devem encaminhar uma foto e um breve histórico para o e-mail: falecom.meioambiente@tetrapak.com.

Separe seu lixo reciclável e leve nas Estações de Reciclagem mais próxima da sua casa

Confira os endereços - http://www.h2oh.com.br/novo_site/estacoes_reciclagem.php?page=reciclagem
Recicle e Reutilize a sacola plástica!

Tijolos feitos de plástico reciclado. Reutilize e Recicle as sacolas plásticas!

Parece brinquedo Lego, mas não é. São tijolos sustentáveis, feitos de plástico reciclado.
Servem para construir casas e até prédios, segundo a fabricante, a inglesa de construção Ecomat Research, empresa especializada na produção de tijolos de plástico reciclado, que apresentou as peças na semana de design de Milão deste ano.




Cada tijolo tem 33 centímetros de comprimento por 25 de altura. Para montar uma casa, basta ir encaixando um no outro. Como são leves e dispensam materiais como vigas de metal e cimento, os tijolos exigem menos transporte e processos industriais - o que alivia a emissão de poluentes no ambiente. Os fabricantes garantem que os tijolos oferecem isolamento térmico, acústico e até proteção contra terremotos.

Fonte: www.setorreciclagem.com.br

Você sabe como é fabricado o Isopor? O material é 100% reciclável. Reutilize as sacolas plásticas!

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Conforme divulgamos aqui no Blog, no dia 10 de junho, Reciclar e reaproveitar são os verbos mais conjugados pela indústria automotiva em sua estratégia de preservação do meio ambiente! Reutilize as sacolas plásticas!


Além dos ganhos ambientais, os consumidores ainda podem economizar, já que os modelos se tornam mais baratos para as montadoras

Para as fabricantes, a saída está na redução do peso dos automóveis, que começam a receber materiais mais leves.
Hoje fazem parte das linhas de produção matérias-primas que há pouco tempo eram raras: fibras naturais, plásticos e borrachas produzidas por meio de nanotecnologia, alumínio no lugar do aço, adesivos em substituição a soldas, além de cada vez mais compostos reciclados.

Veja a seguir alguns exemplos:

*A PSA Peugeot Citroën reduziu em 20% o custo de confecção de tampas de porta-malas de suas pick-ups, ao trocar os polímeros derivados do petróleo por fibra de curauá. A Volkswagem está, inclusive, fazendo o mesmo no modelo Fox.
*A italiana Fiat anuncia que lançará o Uno Ecology, com fibras vegetais da mesma planta e também do coco.
*Os para-choques do C4, da Citroën, são feitos a partir das tampas de plástico de garrafas de refrigerante.
*Já o revestimento de teto do modelo C3, também da montadora francesa, são feitos com garrafas de plástico. Essas economias chegam a cerca de 10% para os fabricantes.
*Cerca de 8% dos para-choques dos veículos da General Motors produzidos nas fábricas de São Caetano do Sul (SP) e São José dos Campos (SP) têm plásticos reciclados em sua composição. Além disso, dos seus pneus, a montadora extrai granulado de borracha, aço e massa de borracha, que acabam servindo de insumo para diversos produtos.

Fonte: Portal G1

Presidente do Sinplast no RS, Alfredo Schmidt, debateu a importância do plástico. Reutilize as sacolas plásticas!


O presidente do Sindicato das Indústrias de Material Plástico no Rio Grande do Sul (Sinplast), Alfredo Schmidt, foi destaque em um encontro acadêmico da Universidade de Santa Cruz do Sul (Unisc), que debateu a importância do plástico.

O especialista defendeu que o problema do material se refere principalmente à educação da sociedade, não à sua produção. Ele comentou ainda que, se descartados corretamente, os artefatos plásticos são reaproveitados em diversos produtos.

Para encerrar, Schmidt revelou um dado importante. Hoje, o Brasil possui 11,3 mil empresas produtoras desse tipo de matéria-prima, que geram 330 mil empregos diretos. “Tomando um módulo de quatro pessoas por família, temos 1,3 milhão de pessoas que vivem do plástico.”

Fonte: Gazeta do Sul

Gerador de energia elétrica feito com garrafa de plástico e mecanismo de uma lanterna. Reutilize e Recicle as sacolas plásticas!

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Você sabia que o Brasil e outras nove equipes usarão camisas feitas de plástico reciclado?


Conforme divulgamos no dia 1° de março aqui no Blog, pensando no meio ambiente nove seleções que competirão na Copa do Mundo de 2010, entre elas o Brasil, Estados Unidos, Coréia do Sul, Austrália, Nova Zelândia, Holanda, Portugal, entre outras, usarão camisetas feitas com garrafas plásticas recicladas e manufaturadas em Taiwan. Cada camiseta plástica é feita de oito garrafas PET processadas em poliéster. O tecido resulta de um processo que permite que a transpiração seja absorvida mais rápida e logo evapore. A matéria foi publicada pelo jornal britânico The Guardian.



O novo material e a nova técnica de costura proporcionarão uma redução de 15% no peso total da camisa da seleção brasileira em relação à versão anterior. 

Imagem: Divulgação


Gostou do desempenho da seleção ontem? Agora é só torcer novamente no domingo e desejar boa sorte para a seleção brasileira!

Leia esta matéria interessante sobre o Programa de Qualidade e Consumo Responsável das Sacolas Plásticas divulgada no Diário de Pernambuco, pela jornalista Luce Pereira

http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/06/11/urbana7_0.asp

Austríaco cria Porsche de plástico em tamanho natural. Reutilize e Recicle as sacolas plásticas!

O veículo não possui motor, mas pedais que empurrados alternadamente movimentam o carro

Um artista austríaco desenvolveu um supercarro em tamanho natural a partir de tubos de plástico, papel alumínio e fita adesiva.

O modelo GT3 Ferdinand RSX foi criado pelo artista austríaco Hannes Langeder, que sonhava em dirigir um carro amigo da natureza. Até chegar ao resultado esperado, o designer trabalhou mil horas ao longo de dois anos e meio.

"Eu queria ter uma visão positiva do futuro dos transportes em relação ao meio ambiente", disse Langeder. "A construção básica é feito de aço, a carroceria é feita de tubos de plástico PVC usados para instalações elétricas, tiras de plástico e outros tipos de fitas. A pintura exterior é realmente fita dourada", explicou.

Fonte: Midia News

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Renault do Brasil chegará a 40 mil toneladas de material reciclado em 2011


Reciclar e reaproveitar são os verbos mais conjugados pela Renault do Brasil em sua estratégia de preservação do meio ambiente. O compromisso em prol do verde se reflete nos números. Em 2011, a empresa dever chegar à marca de 40 mil toneladas de material reciclado, o que corresponde a 97% do total de resíduos gerados pelas três fábricas (Veículos de Passeio, Veículos Utilitários e Motores) que integram o Complexo Ayrton Senna. Em 2009, foram 31 mil toneladas, com índice de reciclagem de 95%.

Nada se perde, tudo se transforma em material novamente útil para a sociedade, ao mesmo tempo que poupa recursos da natureza: plástico, madeira, papelão e tecidos, além de outros itens como blocos de motor e peças das mais variadas aplicações são reaproveitados de alguma forma.

“A cada ano estamos obtendo índices maiores de aproveitamento de resíduos, à medida que a produção industrial aumenta, o que mostra que estamos no caminho certo”, constata Valdeni Lopes, Supervisor de Controle Ambiental da Renault do Brasil. Para se ter uma idéia, o volume reciclado pela Renault hoje é equivalente ao lixo produzido por uma cidade de quase 100 mil habitantes, levando-se em conta que a média de lixo produzida por um brasileiro morador da região Sudeste é de um quilo por dia, segundo a Pesquisa Nacional de Saneamento Básico (PNSB).

Números positivos como esse já renderam o reconhecimento internacional. Tanto que, desde 2003, a empresa conquistou a certificação ISO 14001 de gestão ambiental em toda sua unidade fabril. Trata-se uma norma internacional que atesta os sistemas de gestão de companhias ambientalmente corretas.


Novo projeto em setembro
Em setembro, entrará em operação um projeto desenvolvido e patenteado pela equipe de Meio Ambiente da Renault do Brasil. Este projeto tem como realiza a evaporação de resíduos líquidos utilizando a energia gerada pelo incinerador de gases do processo da Pintura. Isso permitirá separar totalmente a água do solvente, diminuindo a quantidade de resíduos perigosos e reduzindo o valor de tratamento do resíduo.

“Todos os solventes de base, ou seja, solvente com água, serão enviados para um destilador, com tanque dotado de serpentina operando em altas temperaturas. Como o solvente evapora com temperatura inferior, o vapor será captado e condensado para um novo reservatório; e a água daí resultante pode ser enviada para tratamento na estação de efluente. “Com a tecnologia, evitaremos o coprocessamento de aproximadamente 40 toneladas de resíduos perigosos, gerando uma economia de R$ 513 mil por ano”, explica Valdeni.


Água merece atenção especial
Recurso cada vez mais valorizado, a água sempre mereceu atenção especial e é objeto de um processo de reaproveitamento exclusivamente projetado para o Complexo Ayrton Senna, desde que este entrou em operação.

As águas pluviais, armazenadas em uma das nove bacias de contenção que circundam o Complexo, são tratadas e usadas, por exemplo, na lavagem de veículos. Até o final de 2011, cerca de 50% da água potável usada pela empresa no processo industrial seja substituída por água de chuva acumulada nas bacias de contenção.

Na Fábrica de Motores, a água usada na lavagem de peças, do piso e das ruas da fábrica de motores passa por um sistema evaporador que faz sua purificação, para posterior reciclagem no processo e na limpeza.

Além disso, nas três fábricas que integram o Complexo Ayrton Senna, todos os resíduos sólidos são separados em contêineres para posterior recuperação e utilização.

Fonte: www.crossbrasil.com.br

terça-feira, 8 de junho de 2010

Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas chega a Recife nesta quarta-feira, dia 9


Recife (PE) será a primeira cidade nordestina a receber, em 2010, o Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas, que visa a conscientização da população sobre uso e descarte adequados dessas embalagens. 

Na capital pernambucana, o Programa capacitou mais de 200 profissionais de quatro redes de supermercados - Pão de Açúcar, Sttyllo de Supermercados, Kennedy e Arco-Íris – para orientarem o consumidor na hora de embalar as compras. O Programa terá início no dia 9 de junho e a expectativa é que, em um ano, o consumo das sacolinhas seja reduzido em 30%.

Lançado em sete capitais brasileiras, o Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas tem alcançado resultados significativos na redução do uso dessas embalagens. Em 2007, o consumo de sacolinhas, no Brasil, foi de 17,9 bilhões. Já em 2008, passou para 16,2 bilhões e em 2009 foi de 15 bilhões, o que representa uma diminuição de 16,2% do início do programa até agora.

Segundo Paulo Dacolina, diretor Superintendente do Instituto Nacional do Plástico (INP), o resultado esperado para  o Programa no Recife não contempla somente a redução. “Queremos reforçar junto à população a importância de ações responsáveis de reutilização e descarte adequado, para que as pessoas possam continuar usufruindo do conforto, praticidade, higiene e economia que as sacolas plásticas proporcionam, sem causarem danos ao meio ambiente”,

O Programa parte do princípio que, para reduzir o consumo, é necessário que se tenha embalagens de boa qualidade. Assim, envolve os fabricantes de sacolas e o varejo para que as sacolinhas sejam feitas de acordo com a norma ABNT 14.937 e identificadas com o Selo de Qualidade Abief-INP. “Produzidas dentro de norma, essas embalagens ficam mais resistentes, garantem a segurança no transporte das compras e, ainda, podem ser reutilizada de diversas formas, como no lixo doméstico, por exemplo, gerando economia à população”, afirma Paulo Dacolina.

Quando a sacolinha é mais resistentes, o consumidor deixa de utilizá-las em duplicidade ou pela metade de sua capacidade, reduzindo a quantidade de sacolas que leva para casa, mas sem ter que deixar de usar estas embalagens, tão úteis no seu dia-a-dia. Pesquisa Ibope, realizada com mulheres das classes B, C e D, responsáveis pelas compras de seus domicílios, revela que 100% das donas de casa reutilizam as sacolinhas para embalar o lixo doméstico, 75% são a favor do seu fornecimento pelo varejo e 71% delas acham que são o meio ideal para transportarem as compras.

O Programa trabalha os conceitos de Redução, Reutilização e Reciclagem — os 3Rs – e de responsabilidade compartilhada. Segundo o presidente da Associação Pernambucana de Supermercados (Apes), Edivaldo Guilherme dos Santos, a expectativa com a implantação do Programa é muito positiva. “Acreditamos que a ideia de unir esforços da indústria, dos supermercados e da população é o que realmente fará a diferença no que diz respeito à preservação do meio ambiente e o Recife vai mostrar que está preparado para atuar com responsabilidade”, completou  Santos.

Além do INP, a Plastivida Instituto Sócio Ambiental dos Plásticos e a Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis (Abief) também fazem parte do grupo que desenvolveu o Programa. No Recife, a Apes e o Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado de Pernambuco (Simpepe) também apóiam a iniciativa que, este ano chegará ainda a Fortaleza (CE), Florianópolis (SC), Campo Grande (MT) e Belo Horizonte (MG).

Reduza, Reutilize e Recicle as sacolas pláticas e ajude o meio ambiente!

Acessórios feitos com embalagens plásticas, revista, fio de telefone, entre outros. Reutilize as sacolas plásticas e ajude o meio ambiente!

domingo, 6 de junho de 2010

No Dia do Meio Ambiente (05 de junho) a Plastivida reforça a contribuição socioambiental dos plásticos

A Plastivida Instituto Sócio Ambiental dos Plásticos aproveita a Semana do Meio Ambiente para convidar a sociedade a refletir sobre o papel de cada cidadão na preservação ambiental. Para que todos possam usufruir dos benefícios de segurança, conforto e praticidade que os plásticos oferecem em nosso dia-a-dia, são necessárias boa práticas que garantam a preservação do meio ambiente.

A Plastivida tem percorrido o Brasil para envolver a população, opinião pública e os governantes e disseminar informações sobre a importância do conceito dos 3R’sReduzir, Reutilizar e Reciclar.

O Reduzir fala sobre o consumo responsável. Evitar o desperdício é fundamental para que os recursos não faltem. Isso vale desde a água, até os produtos prontos. Um exemplo disso é o caso das sacolas plásticas.

• Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas - Através de uma pesquisa Ibope, a Plastivida verificou que 98% das pessoas reutilizam as sacolinhas para recolher o lixo doméstico e 71% dos entrevistados apontaram este tipo de embalagem como o mais adequado para carregar compras.

Assim, desenvolveu o Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas, com a idéia de comprometer os supermercados pelo Brasil a adotarem sacolas feitas de acordo com a norma ABNT 14.937 e identificadas com o Selo de Qualidade Abief-INP – entidades parceiras no Programa. Com isso, não há necessidade de se colocar uma dentro da outra ou de usá-las pela metade de sua capacidade. O programa também contempla um treinamento com os funcionários dos supermercados para que possam explicar ao consumidor sobre a melhoria na qualidade das sacolas e sobre a importância do uso responsável dessas embalagens.

Trata-se de uma ação de responsabilidade compartilhada – todos têm seu papel no consumo consciente. E os resultados estão aparecendo. Em 2007, o consumo de sacolinhas, no Brasil, foi de 17,9 bilhões. Já em 2008, passou para 16,2 bilhões e em 2009 foi de 15 bilhões, o que representa uma diminuição de 16,2% do início do Programa até agora. Na próxima semana, o Programa, que já está em São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Porto Alegre (RS), Goiânia (GO) Brasília (DF) e Salvador (BA), chegará ao Recife (PE).

• Ecomarketing x informações técnicas - ações como esta são importantes porque geram um comprometimento de todos, através da educação da população. E é somente pela educação que a sociedade vai conseguir perceber falsas promessas do chamado “ecomarketing”. É o caso das sacolas oxidegradáveis, um plástico que se diz biodegradável, mas que é, na verdade, um engodo ambiental já que somente se esfarela – e não se biodegrada – tornando-se um pó plástico, sem a menor possibilidade de se coletado e contaminando rios, lençóis freáticos e solos.

• Os plásticos foram feitos para durar – e que bom! Assim eles podem ser Reutilizados – o segundo R – diversas vezes. É o que a população faz com as sacolinhas plásticas. E é também o caso das ecobags - bolsas retornáveis para compras. Quando feitas de plástico, tornam-se mais fáceis de serem limpas, sem a utilização excessiva de água, evitam contaminações de resíduos das compras, são impermeáveis, além de práticos, econômicos, higiênicos e 100% recicláveis.

• E quando reutilizar não é mais possível, entra o terceiro R – o de Reciclar. Os plásticos são 100% recicláveis e a indústria da reciclagem no Brasil tem crescido ano a ano. Hoje, o País recicla 21,5% de sua produção de plásticos, enquanto a Alemanha (recordista em reciclagem no mundo) recicla 31% e a média da União Européia é de 18%. Ainda assim, é uma indústria que tende a crescer, com o incremento da coleta seletiva. Se a coleta no Brasil fosse mais efetiva, a indústria da reciclagem não atuaria como hoje, com 30% de sua capacidade ociosa por falta de material para ser reciclado.

A Plastivida promove ações de reciclagem de plásticos em geral e dá atenção especial ao Projeto Repensar Isopor®, material que poucos sabem ser 100% reciclável. Esse Projeto acontece em parceria com redes como Carrefour, Pão de Açúcar, Wal Mart, Magazine Luiza, Casas Bahia, Sociedade Alphaville / Tamboré (Avemare), Laboratório Roche, Brasbar e vem dobrando a cada ano.

Reciclagem Energética - Mais de 30 países, como Alemanha e Japão, já resolveram o problema do lixo urbano com a Reciclagem Energética, um processo 100% limpo que transforma o lixo em energia e atua como complemento ao importante trabalho dos catadores e cooperativas para a reciclagem mecânica. O Brasil ainda não adotou esta tecnologia, mas ela está contemplada na Política Nacional de Resíduos Sólidos. A Plastivida Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos tem trabalhado para viabilizar a reciclagem energética como solução para os resíduos sólidos das cidades brasileiras, transformando em energia todo o material que não é possível coletar e reciclar mecanicamente (como as sacolinhas que muitas vezes embalam o lixo doméstico da maioria das casas brasileiras).

A questão do lixo é complexa e exige não só a educação e o comprometimento da população, mas também ações concretas de governantes no sentido de dar uma destinação adequada aos resíduos sólidos, para que todo o esforço anterior não se perca. A Plastivida acredita que não existe milagre no que tange à preservação do nosso planeta. E que com o envolvimento de todos os resultados obtido podem ser muito maiores.


• Os plásticos presentes em nosso dia-a-dia - Muita gente não percebe, mas os plásticos participam direta e indiretamente de nossas vidas, desde a hora em que acordamos até a hora de irmos para cama. Características como versatilidade, maleabilidade, durabilidade e excelente custo-benefício, além de serem 100% recicláveis, tornam os plásticos insubstituíveis na vida cotidiana.


• Garantem a qualidade da água:
Os plásticos são responsáveis pela qualidade da água que bebemos. Estão presentes desde sua canalização, até a sua armazenagem em caixas d'água, cisternas  e tanques estacionários, garantindo a potabilidade dessa água. Também são usados nos processos de saneamento básico e ambiental, protegendo a população contra doenças como cólera, diarréia, esquistossomose. Isso porque a maior parte dessas doenças é transmitida por água sem tratamento, esgotos a céu aberto, problemas que se agravam no caso de enchentes e desabamentos, por exemplo. Além dos conhecidos tubos e conexões, os plásticos também são usados em obras de contenção de erosão e deslizamentos, em forma de mantas e geomembranas, além de obras de preservação (assoreamento de rios, contenção de contaminação de solos e lençóis freáticos).

• Presentes no setor de alimentos:
Os plásticos participam de toda a cadeia dos alimentos. Estão presentes desde o plantio, na armazenagem de grãos (silos), na proteção das culturas, na melhoria da qualidade de frutas e verduras (coberturas de nãotecidos), até na proteção desses produtos para o transporte, evitando desperdício e perdas. Na prateleira do supermercado, são as embalagens – e nesse setor o plástico é líder - que preservam os alimentos, aumentam seu tempo de vida e ainda interferem na escolha do consumidor em função de seu visual. Finalmente, o alimento chega à nossa mesa e na de tantos outros brasileiros em função da democratização do consumo, na qual o plástico tem grande participação.

• A contribuição na redução de emissões:
Nos últimos 20 anos, o peso médio das embalagens e de centenas de utilidades domésticas caiu pela metade por terem plásticos em sua composição. Com o menor peso conferido, é menor a exigência de combustível no transporte, o que reduz as emissões de dióxido de carbono (destruidor da camada de ozônio e gerador do efeito estufa).

• Aplicado nos automóveis:
No decorrer dos anos, a indústria automobilística descobriu no plástico um material que conferia aos automóveis maior segurança, melhor performance, além da possibilidade de redução nas emissões em função da sua leveza. Um veículo moderno tem hoje mais de 50 quilos de plásticos nas mais variadas aplicações (pára-choques, painéis, estofamentos, forração, etc). Além disso, adventos como a nanotecnologia, que confere aos plásticos características como resistência ao impacto, proteção a aos raios UV, entre tantas outras, agregam valor ao produto final.

• Aplicação na medicina:
Nos anos 40, foram introduzidos os materiais descartáveis de plásticos na área médica, diminuindo o risco de infecções. Hoje, não é possível se imaginar qualquer procedimento de saúde - médico, dentário, veterinário – sem o uso de plásticos. Estão presentes nas bolsas que preservam o sangue, por exemplo. São encontrados nas aplicações mais simples (curativos e seringas descartáveis, por exemplo), assim como nas mais complexas (como cânulas e até mesmo corações artificiais). A esterilização dos ambientes também conta com a participação dos plásticos (vedação de salas limpas, filtração, etc), assim como as vestimentas e aparatos dos próprios funcionários (roupas de nãotecidos, máscaras, entre outras). Os plásticos são a solução para garantir a saúde aumentado a expectativa de vida da população.

• A participação na construção e arquitetura
Cada dia mais, os avanços da engenharia dão aos plásticos funções mais nobres na construção civil. São encontrados hoje tanto na parte estrutural - canos, tubos, telhas de cimento reforçado livres de amianto, revestimentos internos de paredes, - até na parte de finalização. Na arquitetura e decoração, estão presentes em pisos, esquadrias, batentes, entre outros, não apenas enfeitando os ambientes, mas também contribuindo na redução do consumo da energia usada no aquecimento das residências.

• Democratização da informação:
Outra área na qual os plásticos vêm desempenhando papel significativo é na tecnologia da informação. Nunca antes foi tão fácil ter acesso à informação e ao conhecimento e o plástico pode ser considerado um grande aliado nesse avanço. Ele vem contribuindo a cada dia no processo de democratizar a tecnologia, com sua presença cada vez maior em computadores, telefones celulares, etc.

sábado, 5 de junho de 2010

Lixo vira combustível para carro nos EUA. O nome da tecnologia é gaseificação. Não esqueça: Reduza, Recicle e Reutilize as sacolas plásticas e ajude o planeta!

Será que o carro do futuro vai ser movido a lixo? E a energia que ilumina as casas, será que isso vai se transformar em riqueza?


Quando as luzes se acendem, no fim da tarde, os moradores de Fairfax, no estado americano da Virginia, estão, de certa forma, contribuindo com a limpeza das ruas. O lixo de um milhão de pessoas vai todo para uma usina. A energia é suficiente para abastecer 80 mil casas, 20% da população.

Cerca de 15 mil toneladas de lixo: parece uma imagem do fim dos tempos, ou um cenário de destruição. Mas, acredite! Estamos diante de uma imagem do futuro. Todo esse lixo está prestes a virar energia elétrica.

Restos de comida, eletrônicos, plástico, tudo que não presta arde num inferno a mais de 1000ºC. Os gases tóxicos que sobram depois da queima do lixo são filtrados, e só uma quantidade mínima sai pela chaminé.

Eles não mostram, mas 10% do lixo que entra na usina saem daqui em forma de cinzas e vão para um aterro. Ainda assim, o diretor de sustentabilidade, Paul Gilman, diz que a usina de lixo polui muito menos que as termoelétricas que usam gás ou carvão.

"No futuro reciclaremos muito mais", ele diz. "E se aproveitarmos tudo que sobra, quatro ou cinco por cento da energia do país poderão ser produzidos a partir de lixo".

A meta do governo para 2030 é que o lixo seja a fonte de 20% do combustível dos automóveis. Isso mesmo. Em breve, até os nossos carros poderão ser movidos a lixo.

Lembra do filme "De Volta Para o Futuro"? Doc, o inventor, coloca lixo num equipamento apelidado de Mister Fusion e o carro sai voando em direção ao futuro. E não é que engenheiros da Califórnia estão viajando na mesma direção?

O nome da tecnologia é gaseificação. Um forno colocado na mala do carro queima o lixo sólido e extrai dele o máximo possível de vapor. O gás percorre os tubos e quando chega ao carburador tem o mesmo efeito da gasolina ou de qualquer outro combustível.

Agora que eles já resolveram os problemas mecânicos, fizeram os ajustes finos no computador e na parte de trás, a eletrônica do carro, a gente está pronto para dar a partida no veículo. Com o maçarico, acende-se o gaseificador e pode colocar o combustível, que na verdade é lixo. Aqui são cascas de nozes, que não serviriam para nada.

Depois de algumas tentativas, o carro vai que é uma beleza. O que sobra depois da queima do combustível é carbono em estado sólido. De acordo com pesquisas científicas, um ótimo fertilizante.

"Esse carvão, chamado de terra preta, é muito rico em nutrientes", explica Tom Price, um dos coordenadores do projeto. "Continuamos obtendo energia, mas ela é limpa e renovável, ajudando a melhorar as condições climáticas."

Como a gente vê, ainda é um experimento bastante complicado. Mas os inventores prometem que em breve vai ser tudo muito mais compacto e fácil de usar.

Fonte: Programa Fantástico, exibido aos domingos na Rede Globo.