terça-feira, 1 de setembro de 2015

Pesquisa Datafolha mostra que 83% dos paulistanos são contra cobrança das sacolas plásticas

Para 87% dos entrevistados o Procon-SP deveria defender a gratuidade das sacolas 


Pesquisa Datafolha, realizada na cidade de São Paulo, no dia 18 de agosto, revela que 83% dos moradores da capital são contrários à cobrança das sacolas plásticas. Além disso, para 87% dos moradores da cidade de São Paulo, o Procon deveria defender a gratuidade das sacolas plásticas.

Segundo a pesquisa, 91% dos paulistanos entendem que as sacolas deveriam ser pagas pelos supermercados ou pela Prefeitura. Em pesquisa realizada pelo mesmo Instituto, em março deste ano, o índice foi de 79%.

A pesquisa mostrou que 52% dos moradores de São Paulo acreditam que o maior beneficiado com a cobrança das sacolas são os supermercados, seguidos da Prefeitura, com 30%. Somente 16% dos entrevistados entendem que o meio ambiente é beneficiado com essa cobrança.

Na opinião de 77% dos entrevistados, a população não está separando o lixo de acordo com a cor das sacolas. Para 53% dos paulistanos, não há coleta seletiva na rua onde mora realizada pela prefeitura.

Objetivo e metodologia
O estudo realizado no dia 18 de agosto, no município de São Paulo, com amostragem de 623 entrevistas, teve como objetivo conhecer a opinião e a compreensão do consumidor de sacolas plásticas de uso doméstico sobre a cobrança ou gratuidade dessas sacolas.

Foram entrevistados homens e mulheres a partir dos 16 anos, pertencentes a todas as classes econômicas e que costumam fazer compras de alimentos ou produtos para casa em supermercados, mesmo que de vez em quando. A pesquisa tem margem de erro de 4 pontos percentuais , para mais ou para menos , considerando um nível de confiança de 95%.
A pesquisa foi encomendada pela Plastivida Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos.



quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Campanha "SUPERMERCADO AMIGO DO CONSUMIDOR"

Confira a lista de supermercados, da cidade de São Paulo, que não cobram sacolas plásticas do consumidor.




Rua Manoel da Nobrega 209, Paraíso - SP 


Av. Interlagos, 5.220 - SP


R. Azevedo Soares, 1585 - SP


Rua Serra de Botucatu, 1903 - SP


R. Palestra Itália -Shopping Bourbon - SP


Avenida Nossa Senhora do Sabará, 275 - SP


Av. Santo Amaro - SP


Se você tem no seu bairro supermercados que não estão cobrando sacolas plásticas, compartilhe conosco.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Posicionamento da Abief sobre a questão das sacolas plásticas na cidade de São Paulo

O PROGRAMA DE COLETA SELETIVA DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SERIAMENTE AMEAÇADO
O programa da prefeitura de São Paulo, que promove a coleta seletiva, está seriamente ameaçado pelo acordo da Associação Paulista dos Supermercados (Apas) e o Procon-SP, pela cobrança das sacolas plásticas no município paulista.
A inteligente ideia da prefeitura de São Paulo de promover a reutilização das sacolas plásticas como sendo um veículo adequado para a destinação correta dos resíduos e com isso engajar a população na ação da separação dos resíduos é posta em cheque pela ganancia dos supermercados, aliada uma atitude incompreensiva do Procon-SP.
O Procon-SP, órgão de defesa do consumidor, contraria posições que defendem a gratuidade das sacolinhas, manifestadas pelo Procon Nacional e Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) e, mais uma vez deixa de ouvir todas as partes interessadas neste acordo, ao contemplar somente o interesse dos supermercados.
Com o desemprego crescendo, inflação subindo, com incertezas, de toda ordem pairando sobre a população, o Procon de São Paulo impinge uma absurda transferência de renda do consumidor para os supermercados.
Distribuídas gratuitamente e utilizadas para fins de coleta seletiva, as sacolas plásticas se tornam agentes de um processo que beneficia a população e o meio ambiente. Sem a gratuidade, o único beneficiado é o supermercado. 
Como se não bastasse inutilizar o plano de coleta seletiva da prefeitura e onerar o consumidor, a decisão pelo a fim da distribuição gratuita das sacolinhas plásticas nos supermercados ameaça diretamente 30 mil empregos no estado de São Paulo – 14 mil só na Capital -, e indiretamente outros 100 mil (indústrias de máquinas, de pigmentos, de impressão de sacolas plásticas e outros).
Não há razão para cobrança das sacolinhas, exceto o desejo de aumentar o lucro dos supermercados. Não podemos concordar om o ônus ao consumidor e a sabotagem à política de reciclagem de lixo estabelecida pelo governo Municipal.

 


Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Plásticas Flexíveis (Abief)

terça-feira, 30 de junho de 2015

Ursinhos de sacolas plásticas estão sendo vendidos em escala comercial em Imperatriz no Maranhão.


O jornal O Estado do Maranhão publicou hoje(30) matéria sobre reutilização de sacolinhas plásticas.
A invenção é do artesão César Simão Gonçalvez Júnior, de 26 anos, que comercializa ursinhos feitos de sacolas plásticas. A sua vantagem, além da reutilização, é não causar alergia em quem os manipula.
A média de produção diária é de 30 peças, podendo custar entre R$5,00 e R$20,00 reais.


-


O Recicle Ideias apoia essa e toda forma de reutilização e reciclagem de materiais plásticos. Os plásticos são 100% recicláveis e fazem parte do nosso dia a dia. Usando corretamente e fazendo o descarte correto você ajuda o meio ambiente!

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Cobrança de sacolas plásticas inviabiliza coleta seletiva

Confira artigo de Miguel Bahiense, presidente da Plastivida Instituto Sócio-Ambiental dos Plásticos, sobre a cobrança das sacolas plásticas na cidade de São Paulo. 



segunda-feira, 8 de junho de 2015

"Fui comprar um sanduíche e um refri. O atendente não quis me dar sacola plástica e ganhei um saco de papel imenso". A lanchonete é de Guarulhos, cidade que tem lei para a distribuição  de sacolinhas dentro de norma técnica, e está se valendo da lei da cidade de São Paulo, que nem está em vigor ainda. Papelão!!

Sacolinha plástica é mais sustentável que saco de papel, e ainda pode ser reutilizada, mesmo quando molhada. Veja estudo: http://goo.gl/Mu6we3